PASCOM

2 194

Promovida mundialmente pelo Conselho Pontífice para Unidade dos Cristãos (CPUC) e pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI), a Semana de Oração pela Unidade Cristã (SOUC) acontece em períodos diferentes nos dois hemisférios.

No hemisfério norte, o período tradicional para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SOUC) é de 18 a 25 de janeiro. Essas datas foram propostas em 1908, por Paul Watson, pois cobriam o tempo entre as festas de São Pedro e São Paulo, e tinham, portanto, um significado simbólico.

No hemisfério Sul, por sua vez, as Igrejas geralmente celebram a Semana de Oração no período de Pentecostes (como foi sugerido pelo movimento Fé e Ordem, em 1926), que também é um momento simbólico para a unidade da Igreja. No Brasil, o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC) lidera e coordena as iniciativas para a celebração da Semana em diversos estados.

Levando em conta essa flexibilidade no que diz respeito à data, estimulamos a todos os cristãos, ao longo do ano, a expressar o grau de comunhão que as Igrejas já atingiram e a orar juntos por uma unidade cada vez mais plena, que é desejo do próprio Cristo. (Jo 17:21)

Meus queridos e amados irmãos e irmãs em Cristo Jesus.
“Eu te peço que Pai que todos sejam um!” (Evangelho de João).

TERÇA-FEIRA, 23 de MAIO DE 2017, TIVEMOS UM MOMENTO DE ORAÇÃO PELA UNIDADE DOS CRISTÃOS.
FOI COM ALEGRIA QUE RECEBEMOS OS IRMÃOS MEMBROS E REPRESENTANTES DO CONSELHO DE IGREJAS CRISTÃS EM NOSSA CASA (PARÓQUIA), TRANSFORMANDO É UM MOMENTO SIGNIFICATIVO DA VIDA DA NOSSA COMUNIDADE.
Pe. Laércio Lima, Sdb, Paróco.

A celebração teve início com algumas palavras de acolhimento ditas por Pe. Laércio aos convidados e ao público presente. Emocionado, o nosso pároco agradeceu pela noite.

Tivemos também um momento aonde um vídeo, mostrando a caminhada da CONIC, foi exibido aos presentes. Nele constava momentos históricos envolvendo encontros das lideranças cristã para promover a paz. Vimos também os povos unidos por mundo mais firme na palavra e exemplo de Deus.

Após à acolhida da Palavra – com o canto “Indo e Vindo, Trevas e Luz – o Diácono Carlos proclamou o Evangelho do Dia. Logo após, o Abuna Elias (Aldo Mota) comentou sobre a importância da união entre os cristãos, contudo sem perder a própria identidade. Cada Igreja Cristã possui suas características, detalhes, simbologia mas, no seu íntimo, todas estão ligadas ao nosso Cristo.

Estiveram presentes:
Igreja Síria Ortodoxa de Antioquia
Diácono Carlos Beethoven Lisboa Melo

Igreja Episcopal Anglicana
Galileu Lins

Igreja Ortodoxa Malankara
Abuna Elias (Aldo Mota)

Igreja Católica Romana
Pe. Laércio Lima, sdb

Confira os nossos registros desse dia tão importante para nossa comunidade e, também, para nossa paróquia:

Outro momento muito lindo foi quando, juntos e de mãos dadas, entoamos o PAI NOSSO:

Este artigo foi publicado no site RSB Comunicação e veiculamos aqui para conhecimento dos paroquianos.

Fonte: Com informações da Inspetoria Salesiana do Nordeste.

Logo após o Encontro do Polo Recife da Rede Salesiana Brasil de Comunicação, a Inspetoria Salesiana do Nordeste realizou, nos dias 20 e 21 de maio, no antigo Instituto Salesiano de Filosofia, no Recife, uma reunião com os coordenadores e referentes de comunicação das Paróquias Salesianas. Com a condução de Pe. João Carlos Ribeiro, diretor da RSB-Comunicação, e apoio da jornalista Jakeline Lira, participaram os referentes que não puderam estar no encontro da RSB-Comunicação.

Durante a reunião, esteve em pauta o que foi discutido no encontro da RSB, as diretrizes da Rede, as orientações do novo manual de redação da RSB e também foi possível partilhar a caminhada, os desafios e os avanços nas paróquias.

O grupo também discutiu a Mensagem do Dia Mundial das Comunicações 2017, que abordou o tema “Comunicar esperança e confiança no nosso tempo”. Na noite do sábado, 20, os coordenadores participaram de uma celebração eucarística na Matriz de Nossa Senhora de Fátima, paróquia que acolhia o evento.

Participaram representantes de seis das dez paróquias salesianas da região, que avaliaram como muito positiva a experiência do encontro.


Fonte: RSB Comunicação

 

A IGREJA EM DEFESA DOS MAIS POBRES – Considerações de PADRE LAÉRCIO, SDB, Paróquia N. Sra de Fátima – San Martin acerca da PEC 287/2016

Recife-PE, 15 de março de 2017.

Irmãos e irmãs,

Vivemos tempos difíceis em que o povo clama por reconhecimento /preservação dos seus Direitos.
Grande parte da nossa comunidade vive na linha tênue que separa a vida digna da simples sobrevivência. Por sentimento de partilha, o povo, unido, consegue minimizar as inúmeras injustiças que nos assola. Somos carentes de segurança, emprego, moradia digna, educação de qualidade e saneamento. Os grupos que detém melhores condições financeiras sempre estão em busca de soluções para o crescente número de irmãos que se encontram em desespero por não saber como alimentar suas famílias. Ano após ano a situação só se agrava e, especialmente no último biênio, os problemas vêm tomando dimensões alarmantes.

A fragilidade econômica provocou muitos questionamentos acerca do nosso futuro; escândalos de corrupção envergonharam nosso povo e uma brusca interrupção no nosso processo democrático deu lugar a um governo interino que posteriormente, tornou-se efetivo. Não julgamos oportuno questionar tal mérito e não desejamos levar esta reflexão ao campo partidário, entretanto, fica evidente o grande volume de pautas que rapidamente entraram em tramitação no congresso nacional após o impeachment da presidente eleita no último pleito. Muitas dessas pautas precisam, no nosso entender, ser submetidas a ampla discussão para que coletivamente sejam encontradas soluções. Sendo assim, não julgamos legítimos os debates em regime de urgência, carentes por transparência e, sobretudo, conduzidos por pessoas de idoneidade duvidosa. É bem verdade que denúncias de corrupção atingem quase todos os partidos e, por isso, entendemos que pautas importantes como as que estão em debate devem aguardar até que o “joio seja separado do trigo” (Mt 13,30), mas infelizmente, não vemos isso na prática.

Lamentamos que grupos visivelmente desgastados por sucessivos escândalos de corrupção estejam conduzindo profundas mudanças que, sem o aval do povo, ameaçam nossa dignidade, pois a maioria delas tenta suprimir direitos conquistados após anos de luta. Somos Igreja e a exemplo do Cristo reiteramos nossa opção preferencial pelos pobres! Sendo assim, nos declaramos contrários aos ataques a democracia, cerceamento de direitos, corrupção, desigualdade, aos atores políticos que legislam em causa própria e a proposta de acabar com a filantropia que historicamente presta importantes serviços aos mais pobres. Além disso, enfatizamos nosso compromisso de nos colocar contra a reforma da previdência, pois ela, sem qualquer pudor, pretende retirar o direito dos trabalhadores, sobretudo os mais pobres, de terminar seus dias na terra dignamente após uma vida de sacrifícios. Somos favoráveis a criação de uma ampla e transparente auditoria nas contas da previdência para, só assim, cogitar possíveis mudanças. Mas se ainda assim for necessário mudar algo que seja feito com o menor impacto possível aos mais pobres, resguardando sempre, os direitos adquiridos.

“Jesus, o carpinteiro (cf. Mc 6,3), dignificou o trabalho e o trabalhador e recorda que o trabalho não é um mero apêndice da vida, mas que “constitui uma dimensão fundamental da existência do homem na terra”53, pela qual o homem e a mulher se realizam como seres humanos54. O trabalho garante a dignidade e a liberdade do homem, e é provavelmente “a chave essencial de toda ‘a questão social’”55.” (Documento de Aparecida)

Paz e bem!

Com minha bênção e proximidade,

Pe. Laércio Lima, SDB

– Ajude-nos, compartilhando.

#Salesianos #PEC287 #PASCOMSanMartin

Postagem Original publicada em nossa página no Facebook

0 209

Neste 1º de Março de 2017 foi celebrada a missa da Quarta-feira de Cinzas e também o início da Campanha da Fraternidade de 2017 (Fraternidade: Biomas Brasileiros e defesa da vida). Tudo aconteceu no Jardim Botânico do Recife e na Fundação CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) Recife – ambas situadas na BR-232, com a presença de Dom Fernando Saburido, Dom Antônio Tourinho neto, vários sacerdotes da Arquidiocese de Olinda e Recife, seminaristas, centenas de paroquianos, leigos e a imprensa/veículos de comunicação pernambucana estiveram presentes.

O local escolhido para sediar a abertura da Campanha da Fraternidade representa um verdadeiro santuário remanescente de Mata Atlântica, abrigando diversas espécies da flora ameaçadas de extinção. Adotando o tema Fraternidade: Biomas brasileiros e defesa da vida e o lema Cultivar e guardar a criação (Gn 2.15), a CF 2017 destaca seis dos biomas brasileiros que melhor representam a biodiversidade do país: Pampas, Cerrado, Amazônia, Pantanal, Caatinga e Mata Atlântica. (Fonte: Arquidiocese de Olinda e Recife)

Aqueles que representaram a nossa paróquia: nosso pároco Pe. Láercio de Lima sdb, Terço dos Homens, Salesianos Cooperadores e PASCOM.

Dom Fernando Saburido – Foto Pessoal (página do Facebook)

Gesto Concreto

Antes do início da Missa de Cinzas, o arcebispo Dom Fernando Saburido plantou uma muda de Pau-Brasil no jardim da Fundação CDL, ao lado do Jardim Botânico do Recife, como gesto concreto pela Campanha da Fraternidade. De acordo com Dom Fernando, o nosso planeta precisa de pequenos gestos que contribuam para a preservação das espécies ameaçadas de extinção. “Escolhemos o Jardim Botânico para que sirva de incentivo e estímulo para que cada pessoa adote pequenas ações em defesa do meio ambiente. ”, destacou o arcebispo metropolitano. (Fonte: Arquidiocese de Olinda e Recife)

Dom Fernando Saburido – Foto Pessoal (página do Facebook)

Mensagem do Dom Fernando Saburido para a Quaresma:

“A cada ano, na celebração da Quaresma e em preparação para a Páscoa, a Igreja nos convida a participarmos da caminhada pascal de Jesus. A Campanha da Fraternidade foi criada pela CNBB em 1963, quando o Concílio Vaticano II tinha vivido apenas sua primeira sessão. O objetivo da CF era aplicar as propostas do Concílio no Brasil, através de uma pastoral de conjunto, assumida por todas as dioceses do país e pelas forças vivas da Igreja. A intuição fundamental é que para vivermos a fé, precisamos atuar na solidariedade, cuidar mais intensamente da fraternidade entre as pessoas e da proteção à natureza como criação divina que a Páscoa de Jesus vem renovar.

Nesse ano, a Campanha da Fraternidade retoma o tema do ano passado sobre a terra como “casa comum, nossa responsabilidade” e o concretiza e amplia mais ainda aplicando-o à realidade brasileira. Propõe que organizemos a fraternidade em comunhão com os biomas que temos em nosso país e com os respectivos povos de cada bioma. O tema da CF 2017 é “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida“. O lema é: Cultivar e guardar a criação (Gn 2,15).

Chama-se bioma um conjunto de natureza que apresenta características iguais tanto na sua topografia, na distribuição de seus rios ou nascentes de água, na sua vegetação, clima, animais que ali vivem e principalmente a população que ali mora e sua cultura. No Brasil, temos, fundamentalmente, seis biomas: a Amazônia, a Caatinga, o Cerrado, a Mata Atlântica, os Pampas e o Pantanal. Cada um desses biomas é expressão da rica e variada criação que nos foi presenteada amorosamente por Deus e por isso dele devemos cuidar.

Todos nós sabemos que, na realidade atual do país, a expansão das atividades agropecuárias e da urbanização no país tem provocado destruição ambiental. Embora possua uma grande biodiversidade, o Brasil corre o risco de perdê-la se continuamos nesse caminho que o papa Francisco denunciou: “Quando se fala de biodiversidade, no máximo pensa-se nela como um reservatório de recursos econômicos que poderia ser explorado, mas não se considera seriamente o valor real das coisas, o seu significado para as pessoas e as culturas, os interesses e as necessidades dos pobres”. (Cf. Laudato si, n. 190).

A CF 2017 é uma oportunidade para conhecermos melhor e podermos cuidar com mais amor da rica diversidade de nosso país, relacionada com todo o planeta. Ela nos convida a termos uma atitude solidária com os desafios de cada bioma, principalmente aquele no qual vivemos e do qual, de certa forma, dependemos nós e toda a natureza na qual estamos inseridos. No caso da nossa arquidiocese, vivemos todos na Mata Atlântica. Ela se encontra no litoral e percorre 17 estados de norte a Sul. Nela estão mais da metade dos municípios brasileiros. Na região da Mata Atlântica, se concentra 72% da população brasileira. Esse alto índice de povoamento e com forte urbanização faz com que da primitiva mata restem apenas uma porção ínfima (8, 5%). Essa destruição da natureza produz uma enorme deterioração no clima e na qualidade de vida da população, assim como ameaça a sobrevivência de muitas espécies vegetais e animais. Em nossa região, da Mata Atlântica restam apenas pequenos pedaços de verde, em meio à selva de pedra. Nossos rios estão poluídos e, com isso, toda a natureza está agredida e ameaçada.

Para mudar essa realidade, precisamos intensificar o cuidado amoroso com a natureza. O papa Francisco afirma: “Estamos unidos por laços invisíveis e formamos uma espécie de família universal, uma comunhão sublime que nos impele a um respeito sagrado, amoroso e humilde” (LS 89). “Tudo está relacionado e todos nós, seres humanos, caminhamos juntos como irmãos e irmãs numa peregrinação maravilhosa, entrelaçados pelo amor que Deus tem a cada uma das suas criaturas e que nos une também, com terna afeição, ao irmão sol, à irmã lua, ao irmão rio e à mãe terra”. (LS 92).

Ao celebrar nessa Páscoa o memorial da paixão, morte e ressurreição de Jesus, somos chamados a entender que a paixão de Jesus se expressa hoje no sofrimento do povo pobre que enfrenta o aumento do desemprego, a deterioração das suas condições de vida e a negação dos seus direitos básicos de cidadania. A paixão de Cristo também se expressa na agressão contínua e situação de risco pela qual passa a Mata Atlântica e todos os biomas brasileiros.

Desejo a cada um/uma de vocês uma santa e renovada Quaresma e Páscoa de Jesus.

Dom Antônio Fernando Saburido, OSB
Arcebispo de Olinda e Recife

Confira as fotos da Celebração:

“Fraternidade: biomas brasileiros e a defesa da vida” é o tema desta edição

Com o tema “Fraternidade: biomas brasileiros e a defesa da vida”, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) abre oficialmente, na Quarta-feira de Cinzas, dia primeiro de março, a Campanha da Fraternidade 2017 (CF 2017). O lançamento será na sede da entidade, em Brasília (DF), e será transmitido ao vivo pelas emissoras de TV de inspiração católica, a partir das 10h45.

A campanha, que tem como lema “Cultivar e guardar a criação” (Gn 2.15), alerta para o cuidado da Casa Comum, de modo especial dos biomas brasileiros. Segundo o bispo auxiliar de Brasília (DF) e secretário geral da CNBB, dom Leonardo Ulrich Steiner, a proposta é dar ênfase à diversidade de cada bioma e criar relações respeitosas com a vida e a cultura dos povos que neles habitam, especialmente à luz do Evangelho. Para ele, a depredação dos biomas é a manifestação da crise ecológica que pede uma profunda conversão interior. “Ao meditarmos e rezarmos os biomas e as pessoas que neles vivem, sejamos conduzidos à vida nova”, afirma.

Ainda de acordo com o bispo, a CF deseja, antes de tudo, levar à admiração, para que todo o cristão seja um cultivador e guardador da obra criada. “Tocados pela magnanimidade e bondade dos biomas, seremos conduzidos à conversão, isto é, cultivar e a guardar”, salienta.

A cerimônia de lançamento contará com as presenças do arcebispo de Brasília e presidente da CNBB, cardeal Sergio da Rocha, do secretário geral da Conferência, dom Leonardo Steiner, e do secretário de articulação institucional e cidadania do Ministério do Meio Ambiente, Edson Duarte.

No Brasil, a Campanha já existe há mais de 50 anos e sua abertura oficial sempre acontece na Quarta-feira de Cinzas, quando tem início a Quaresma, época na qual a Igreja convida os fiéis a experimentarem três práticas penitenciais: a oração, o jejum e a esmola.

Em Recife: lançamento será no Jardim Botânico

Dom Fernando Saburido, Arcebispo de Olinda e Recife escolheu um santuário remanescente da Mata Atlântica brasileira: o Jardim Botânico do Recife, no bairro do Curado.

A programação terá início às 14h, com uma visita guiada pelo Jardim Botânico. Uma breve explanação sobre a Campanha da Fraternidade 2017 será feira às 14h45 e uma Celebração Eucarística (Missa de Cinzas) acontecerá às 15h, na quadra da Fundação CDL, ao lado do Jardim Botânico. Como gesto concreto, o arcebispo Dom Fernando Saburido fará o plantio de uma muda de Pau-Brasil, planta-símbolo da Mata Atlântica e espécie ameaçada de extinção. A Quarta-feira de Cinzas tem um significado especial para os católicos, pois é o período inicial da quaresma, tempo de 40 dias de preparação para Páscoa que segue até o domingo de Ramos. Durante este tempo, a Igreja Católica convida os fiéis a intensificarem as orações, as penitências, o jejum, a meditação da palavra de Deus, a prática da caridade, buscando a conversão, que é a vivência do Evangelho.

Eventos recentes, como o desastre ambiental em Mariana (MG), que em 2015 despejou toneladas de resíduos de minério de ferro nas águas do Rio Doce e na costa capixaba do oceano Atlântico, afetando o frágil equilíbrio entre o homem, a fauna e a flora locais, são exemplos das consequências da interferência humana nos biomas brasileiros. Os crescentes surtos de Dengue, Zika, Chikungunya e Febre Amarela que vêm atingindo as populações urbanas brasileiras são reflexos da urgência de mudanças de comportamento e políticas públicas, exigindo a união de todos para defender e preservar a natureza. Atenta a esta realidade brasileira que clama por transformação, a CNBB propôs como tema para a Campanha da Fraternidade deste 2017 “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida” e o lema “Cultivar e guardar a criação” (Gn 2.15). A Campanha da Fraternidade abrange os biomas brasileiros do Pantanal, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Amazônia e Pampas, bem como as comunidades humanas inseridas e codependentes da preservação da natureza, como comunidades caiçaras, quilombolas, indígenas, dentre outras.

O texto-base da Campanha da Fraternidade 2017 é um livro editado pela CNBB, que serve de orientação ao Clero e pastorais em geral, dividido em quatro capítulos, a partir do método ver, julgar e agir, faz uma abordagem dos biomas existentes, suas características e contribuições eclesiais. Também traz reflexões do tema sob a perspectiva de São João Paulo II, Bento XVI e o papa Francisco. Ao final, são apresentados os objetivos permanentes da Campanha, os temas anteriores e os gestos concretos previstos durante a Campanha 2017. A partir do texto-base, todas as comunidades, paróquias e dioceses do Brasil realizam ao longo do Ano Litúrgico formações e ações enfocando o tema da CF 2017.

Material

Para ajudar nas reflexões sobre a temática, são propostos subsídios, sendo o texto-base o principal. Dividido em quatro capítulos, a partir do método ver, julgar e agir, o documento faz uma abordagem dos biomas, suas características e contribuições eclesiais na defesa da vida e cultura dos povos originários de cada bioma brasileiro. Também são apresentadas considerações ecológicas sob a perspectiva de São João Paulo II, Bento XVI e o papa Francisco. Ao final, são apresentados os objetivos permanentes da Campanha, os temas anteriores e os gestos concretos previstos para esta edição, sendo o principal a Coleta Nacional de Solidariedade.

Os subsídios da CF 2017 estão disponíveis no site da editora Edições CNBB. É possível fazer o download do arquivo com todas partituras das músicas da CF 2017 e da Quaresma, entre elas o Hino Campanha, de autoria do padre José Antônio de Oliveira e Wanderson Freitas.

Fonte: Site Oficial da CNBB e site da Arquidiocese de Olinda e Recife.

 

Mensagens gravadas pelo nosso Pároco Pe. Laércio José para a comemoração do 50 Dia Mundial das Comunicação Sociais.

Essas mensagens foram transformadas em links e impressas em QR-CODES. Depois, foram distribuídas para as igrejas da comunidade. Uma forma de comemorar esse dia tão especial para nós, comunicadores do Evangelho de Jesus Cristo, nosso Senhor.

Ele também cita alguns trechos da MENSAGEM DE SUA SANTIDADE PAPA FRANCISCO PARA O 50º DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS «Comunicação e Misericórdia: um encontro fecundo».

Um trabalho realizado pela Pastoral da Comunicação (PASCOM) da Paróquia de San Martin.

Gostou? Compartilhe 😀

 

 

 

Transcição do vídeo acima:

Saudação

Olá, amigo(a) cristão(ã)!

Sou o Pe. Laércio – pároco da Igreja de NSF. Tenho uns minutos de sabedoria e reflexão para vocês usar no seu dia a dia.

Mensagem

Só palavras pronunciadas com amor e acompanhadas por mansidão e misericórdia tocam os nossos corações de pecadores. Palavras e gestos duros ou moralistas correm o risco de alienar ainda mais aqueles que queríamos levar à conversão e à liberdade, reforçando o seu sentido de negação e defesa.

O trecho foi retirado da MENSAGEM DE SUA SANTIDADE PAPA FRANCISCO PARA O 50º DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS «Comunicação e Misericórdia: um encontro fecundo»

Citação

A verdade [nos] tornará livres Jo 8, 32

Texto final

Eu e a Paróquia de Nossa Senhora de Fátima, San Martin, comemoramos o 50º DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS, compartilhando a maior mensagem que Cristo nos deixou: o amor como testemunho vivo do evangelho. Paz e bem.

Transcrição do vídeo acima

Saudação

Olá, amigo(a) cristão(ã)!

Sou o Pe. Laércio – pároco da Igreja de NSF. Convido, você, a ouvir um pouco da mensagem do evangelho.

Mensagem

A palavra do cristão visa fazer crescer a comunhão e, mesmo quando deve com firmeza condenar o mal, procura não romper jamais o relacionamento e a comunicação. O poder que a misericórdia tem de curar as relações dilaceradas e restaurar a paz e a harmonia entre as famílias e nas comunidades.

O trecho acima foi retirado do MENSAGEM DE SUA SANTIDADE PAPA FRANCISCO PARA O 50º DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS «Comunicação e Misericórdia: um encontro fecundo»

Citação

Bem-aventurados os misericordiosos, pois obterão misericórdia. Mateus 5:7

Texto final

Eu e a Paróquia de Nossa Senhora de Fátima, San Martin, comemoramos o 50º DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS, compartilhando a maior mensagem que Cristo nos deixou: o amor como testemunho vivo do evangelho. Paz e bem.

Transcrição do vídeo acima

Saudação

Olá, amigo(a) cristão(ã)!

Sou o Pe. Laércio – pároco da Igreja de NSF – e estou feliz que você tenha chegado até aqui para ouvir esta mensagem.

Mensagem

A comunicação tem o poder de criar pontes, favorecer o encontro e a inclusão, enriquecendo assim a sociedade. Como é bom ver pessoas esforçando-se por escolher cuidadosamente palavras e gestos para superar as incompreensões, curar a memória ferida e construir paz e harmonia. As palavras podem construir pontes entre as pessoas, as famílias, os grupos sociais, os povos.

O trecho acima foi retirado do MENSAGEM DE SUA SANTIDADE PAPA FRANCISCO PARA O 50º DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS «Comunicação e Misericórdia: um encontro fecundo»

Citação

O meu mandamento é este: Amem-se uns aos outros como eu os amei. João 15:12

Encerramento

Eu e a Paróquia de Nossa Senhora de Fátima, San Martin, comemoramos o 50º DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS, compartilhando a maior mensagem que Cristo nos deixou: o amor como testemunho vivo do evangelho. Paz e bem.

Descrição do texto do vídeo

Saudação

Olá, amigo(a) cristão(ã)!

Sou o Pe. Laércio – pároco da Igreja de NSF –  e vim deixar uma mensagem especial para você.

Mensagem

Aquilo que dizemos e o modo como o dizemos, cada palavra e cada gesto deveria poder expressar a compaixão, a ternura e o perdão de Deus para todos. O amor, por sua natureza, é comunicação: leva a abrir-se, não se isolando. E, se o nosso coração e os nossos gestos forem animados pela caridade, pelo amor divino, a nossa comunicação será portadora da força de Deus.

Trecho acima foi retirado do  MENSAGEM DE SUA SANTIDADE PAPA FRANCISCO PARA O 50º DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS «Comunicação e Misericórdia: um encontro fecundo».

Citação

Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. (…) Felizes os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus» (Mt 5, 7.9).

Encerramento

Eu e a Paróquia de Nossa Senhora de Fátima, San Martin, comemoramos o 50º DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS, compartilhando a maior mensagem que Cristo nos deixou: o amor como testemunho vivo do evangelho. Paz e bem.