Arquivos mensaisjunho 2015

0 343

É… o jardim do Apostolado floresceu. No celeiro de vocações que é a nossa igreja, o que nos moveu a voltar à casa do Pai, ao 1º amor, foi à certeza de que sozinhos não podemos mais. Voltamos hoje na convicção de que temos a marca indelével no Sacratíssimo Coração de Jesus.

Fizemos parte do grupo que a 23 anos de existência vem sendo fidedigno aos preceitos de Deus através da devoção ao Coração de Jesus.

Quando alguns pouco jovens em 21 de junho de 1992 reuniram-se pela primeira vez, não imaginaram que aqui vidas seriam escolhidas.

Transformamos essa comunidade. Trouxemos jovens de todas as partes para uma caminhada, ora espinhosa, ora também. Afinal o caminho do Senhor é árduo, mas juntos sempre fomos mais. E o que nos dava a certeza de que tudo valeria apena, era o brilho no olhar de cada irmão de caminhada.

O M.E.J. nesses 23 anos, já protagonizou muitas histórias, as quais cada integrante soube desenvolver seu papel. É um grupo de formação humana, que faz enxergar no outro, qualidades singulares e perceber que sem Deus não dar. É um grupo que embasado nos pilares: Coração de Jesus, Oração e Eucaristia, transforma e salva vidas.

Além das vidas espirituais que foram marcadas, outras vidas da nossa comunidade também. O Movimento já ajudou muitas pessoas, através das gincanas da solidariedade, com arrecadações de alimentos, pães e materiais de limpeza. Foram momentos de inserção de jovens no meio aos problemas sociais que permeavam o bairro. É latente em nossas mentes a cara de crianças sedentas… Para nós então, coube continuar com o projeto, expandindo-o para encontros de evangelização através de meios pedagógicos nos centro da comunidade.

Não posso tenho reunião”. Era assim nossa resposta aos convites alheios, nos dias de sábado à tarde. Nosso compromisso era com o M.E.J. Encontrávamos nesse espaço os melhores amigos, demos as melhores risadas, tivemos as lágrimas mais tristes, as melhores experiências com Deus. O nosso compromisso, nosso grande compromisso era com Deus.

As flores cresceram, deixaram o jardim e foram fomentar em outros espaços. Renovar vidas, atrás de justiça, educar pessoas, construir espaços, diagnosticar problemas, celebrar, ser família… Dispersaram-se aquelas lindas flores. Mas não morreram. Foram ser sal e luz. Fomos uma família que tecida pelo fio espinhoso do coração de Jesus, aprendeu que resistir é a melhor resposta. O convite é lançado, poucos são os que aceitam. Nesses 23 anos de caminhada os antigos integrantes que nesta manhã renovaram seus votos, são flores resgatadas, que decidiram voltar para enfeitar o altar do Senhor.

 Concluo com uma reflexão direta do Papa Francisco:

“A vida não é dada para que a conservemos para nós mesmos, mas para que a doemos”.

Texto de Alan Dôglas – ex-integrante do Movimento Eucarístico Jovem.